Semeando


Semeando faz turnê em Imperatriz (MA)
27 de dezembro de 2012, 20:15
Filed under: Uncategorized

Imperatriz às margens do rio Tocantins

O Semeando fez em outubro uma verdadeira turnê pela cidade de Imperatriz, no interior do Maranhão. Fiz muitas visitas a escolas, distribuí muitos livrinhos, conheci muita gente, me emocionei bastante.

Tudo começou com o convite da Denise, que conheci no Parque de Coqueiros há três anos. Hoje moradora da cidade, organizou a minha visita e me hospedou em sua casa, com seu marido, Baddy, e os filhos, Gabriel e Lorena.

Aqui vai um resuminho dia a dia do que o Semeando aprontou por lá:

Escola Municipal Bilíngue de Surdos Mudos

E.M. Santa Tereza, E.M. Guilherme Dourado, SBT, C.E. Maranhense e Rotary

E.M. Maria das Neves, E.M. Tereza Dávila, E.M. Marieta Albuquerque e Academia Imperatriense de Letras

Batalhão de Infantaria de Selva Quartel

Maçonaria

Creche Municipal Aconchego e COC

A despedida



A despedida
27 de dezembro de 2012, 20:11
Filed under: Uncategorized

Quando me despedi da Denise tive sentimentos contraditórios: muita gratidão e alegria por ela ter me proporcionado a oportunidade de divulgação do Semeando, tão longe da Lagoa da Conceição, e para um público tão carente e sofrido. E também tristeza, por deixar aquela cidade tão acolhedora e me afastar de uma família que tive o privilégio de conhecer, admirar e amar.

Algumas vezes (felizmente não muitas) senti tanta tristeza que o coração chegava a doer, de tão apertado, sem espaço, espremido, murcho como uma uva passa.  Outras vezes, como agora, senti que o mesmo coração não cabia no peito, tão grande estava: parecia que tomava conta de todo o meu corpo. Alegria. Uma imensa alegria pelo cumprimento do que hoje, considero minha missão: levar uma proposta de paz.

Durante o vôo, pedi a Deus muitas outras oportunidades como esta, para eu experimentar o mesmo sentimento, pois “não existe maior felicidade do que a certeza de ter afetado positivamente a vida de alguém”.



Creche Municipal Aconchego e COC
27 de dezembro de 2012, 20:10
Filed under: Uncategorized

Creche Municipal Aconchego

Visitei a Creche Municipal Aconchego pela manhã. Reuniram as crianças de várias turmas: dos dois aos quatro anos, todos sentadinhos no chão, muito atentos às histórias.  Quando a Edna me apresentou, dizendo que eu tinha vindo de longe, de Florianópolis, só para vê-los, uma menininha disse: “Meu pai trabalha em Florianópolis, você conhece ele?” Depois, visitei a sala de cada grupo e distribui as folhas para colorir. Muito simples, mas bem limpa e organizada essa creche. É bom quando a diretora ama o que faz, e o capricho é visível.

Creche Municipal Aconchego (2)

De lá, seguimos para o Colégio COC, onde os filhos da Denise estudam e a única escola particular que visitei.

Colégio Oswaldo Cuz

Quatro turmas, do 4º e 5º anos, ocuparam uma sala. Denise havia me orientado quanto ao público: crianças de famílias sócio-econômicas privilegiadas. Aqui, o discurso precisava ser outro, e as frases escolhidas previamente para a atividade da cestinha eram: “respeite todos aqueles que trabalham para viver, por mais humilde que seja o seu serviço”, “não ridicularize, menospreze ou zombe de alguém”, etc.



Maçonaria
27 de dezembro de 2012, 20:03
Filed under: Uncategorized

festa da maçonaria

Pela manhã, fui convidada para proferir uma palestra na festa que a Maçonaria promoveu para crianças carentes, do bairro da Acema. Um empresário adquiriu 50 exemplares do Semeando. E como eu fiquei numa mesa, com os livros e banner exposto, ainda vendi algumas unidades.

À tarde, os pequenos Gabriel e Lorena estavam preparando uma festa de aniversário surpresa para a Denise. Assim, quando chegamos em casa, um delicioso churrasco esperava por nós. E depois do “parabéns”, tive a honra e o privilégio de receber da aniversariante a primeira fatia do bolo. Meu Deus, quanto carinho! Fiquei apaixonada por essa família!

eu e a família mitre

 



Batalhão de Infantaria de Selva Quartel
27 de dezembro de 2012, 19:58
Filed under: Uncategorized

festa do dia das crianças no quartel

Pela manhã houve a festa do Dia das Crianças no 50 BIS (Batalhão de Infantaria de Selva Quartel), com muitas atividades e um momento para a apresentação do Semeando, com histórias, música e distribuição de livros.  Como eram muitos, e para que ficassem mais atentos, propus que prestassem atenção, e que ao final eu faria perguntas. Quem respondesse corretamente, ganharia um livro. E assim foi feito. Todos receberam a folha para colorir ou a de palavras cruzadas. Sempre é bom poder divulgar o Semeando, não importa para  quantas pessoas. Se uma palavra serviu para alguém já valeu a pena.

À noite, fui com Denise, Baddy, Gabriel e Lorena ao Gatinhos Pizzaria. Conversamos bastante e eu me sentia cada vez mais próxima deles, como alguém da família, mesmo.  Baddy disse que admirava a minha coragem, por me aventurar a ir tão longe, e principalmente ficar em casa de quem eu nem conhecia, de pessoas que poderiam ser esquisitas, meio doidas…  Expliquei que não fui às cegas: já vinha me correspondendo com a Denise por algum tempo e pessoas “do mal” não se interessam pelo Semeando.  E eu acreditava que a maior coragem era deles, por receber em sua casa uma desconhecida.  Medo e vergonha – eu disse – não levam a lugar nenhum.



E.M. Maria das Neves, E.M. Tereza Dávila, E.M. Marieta Albuquerque e Academia Imperatriense de Letras
27 de dezembro de 2012, 19:53
Filed under: Uncategorized

Escola Municipal Maria das Neves

Às 8h já estávamos na Escola Municipal Maria das Neves. A maioria das escolas é muito pobre, sem estrutura adequada, difícil imaginar uma criança conseguir aprender naquele ambiente. Mais triste ainda o que ouvi de uma diretora: precisou mudar o horário da merenda para a entrada. Alguns alunos desmaiavam durante a aula – de fome! É de se revoltar! Não posso mudar essa realidade, mas posso fazer o que sei, com muito amor.

Escola Municipal Tereza Dávila

De lá seguimos para a Escola Municipal Tereza Dávila, a de melhor estrutura até então: salas amplas e com ventilador e um grande pátio. Duas turmas foram colocadas na mesma sala, e como o ambiente interfere na atenção das crianças!

cantando na Escola Municipal Tereza Dávila

Muito participativos, aprenderam as músicas, cantaram junto, leram as mensagens da cestinha e se divertiram com as histórias. Foi muito bom divulgar o Semeando com eles.

Escola Municipal Marieta Albuquerque

Seguimos para a Escola Municipal Marieta Albuquerque, uma escola diferenciada, muito bem estruturada, limpa, clara, salas de aula adequadas, refeitório e cozinhas bem equipados e tudo funcionando da melhor maneira possível.

A diretora, Sra. Perpétua, reuniu no refeitório as 4 turmas da tarde, do primeiro ao quarto ano, e me apresentei a eles com o avental que Denise me deu. Com o conforto de um ventilador e um microfone, conversei com as crianças e contei histórias. Para um grupo assim tão grande é impossível desenvolver alguma dinâmica, mas foi muito bom. Ao final, a diretora leu uma mensagem do Semeando e chamou um menino do primeiro ano para ler uma frase, e ele o fez perfeitamente bem. Fiquei admirada, pois nessas minhas andanças tenho visto alunos que no quarto ano ainda não conseguem ler corretamente.

academia imperatriense de letras

À noite, estreando uma camisa que Denise mandou fazer para mim, com a ilustração do Semeando, fui com ela e Lorena à Academia Imperatriense de Letras. A reunião já havia começado, com a presença de cerca de 15 membros. Ao final, a Edna me apresentou ao grupo como “escritora”, sua convidada. Eu disse que não me considerava escritora, tinha apenas organizado um material com lembretes sobre civilidade, com poucas frases de minha autoria. Foi então que o Sr. Francisco Itaeço Bezerra, imortal que ocupa a cadeira 7 e que tem como Patrono Zeca Leda, tomou a palavra, dirigindo-se a mim:

“Permita-me discordar da senhora. Ocorre que o autor da literatura de cordel, mesmo com 5 páginas é considerado escritor. Na minha opinião a Sra. é escritora sim! E seja muito bem-vinda à nossa casa!” Ouvi aplausos e “apoiado!” Fui dormir bem feliz, por ser considerada escritora por um Imortal!!!

Após a visita, mais uma vez o Semeando ganhou as páginas do jornal O Progresso, desta vez na coluna “Notícias da Academia”:

DOC 005



E.M. Santa Tereza, E.M. Guilherme Dourado, SBT, C.E. Maranhense e Rotary
27 de dezembro de 2012, 19:20
Filed under: Uncategorized

Escola Municipal Santa Tereza

O dia começou com uma visita à Escola Municipal Santa Tereza já às 8h. Os alunos eram do 2º ano. Como sempre faço, contei histórias, cantei e fizemos a atividade da cestinha, na qual eles foram tirando e lendo mensagens após as músicas.

Depois, distribuí a capa do Semeando em preto e branco para colorirem. Adoraram. Sorteamos dos livros e tiramos fotos. Foi muito bom.

Escola Municipal Guilherme Dourado

De lá, seguimos para a Escola Municipal Guilherme Dourado, agendada para às 10h. Não chegamos em boa hora: eles estavam ansiosos pelo recreio, aguardando a merenda, que para alguns, é a única refeição do dia. Além do mais eram maiores, de 12 a 16 anos. Fomos conduzidas ao salão de uma igreja, para acomodar as 4 turmas. Fiz o que pude, mas eles estavam agitados demais. Não preparei nenhuma dinâmica, me ative apenas à apresentação do Semeando e às histórias. Nada acontece por acaso, e a gente só tem a aprender e a compreender realidades tão diferentes.

Jader, amigo da Denise, conseguiu uma entrevista ao vivo no SBT logo depois.

À tarde foi a vez do Centro Educacional Maranhense. Todas as escolas municipais que visitei eram bem pobres, algumas com pouquíssima estrutura, e esta não era diferente. Mas a turma do quinto ano era especial, e as crianças participaram com muito entusiasmo. Entre outras coisas, falei sobre bulling, e como era cruel uma pessoa ser discriminada, ridicularizada, desprezada. Foi Deus quem me inspirou para abordar esse assunto: ao final do nosso encontro, uma aluna chamada Brenna, de 15 anos, se levantou e disse o quanto havia aprendido comigo, pois se sentia diferente por ser mais velha em relação às outras crianças e começou a chorar.

autografos no Centro Educacional Maranhense

A Denise, então, falou o quanto ela devia se orgulhar por ser corajosa e enfrentar o preconceito. Ela era digna de todo respeito e admiração por isso, pois estava lutando pelos seus sonhos. Foi um momento muito bonito. As crianças ouviam atentas. Depois do encontro, uma menina pediu que eu autografasse seu caderno. Ah, pra que? Todos eles vieram trazer seus cadernos para que eu escrevesse meu nome. Um deles disse: “Escreve bem grande!” e lá tive eu que escrever meu nome ocupando toda a página. Saí de lá feliz, com a certeza de ter sido útil.

rotary

À noite fomos à reunião do Rotary da cidade, a convite da Patrícia. Em dado momento, ela me apresentou ao grupo dizendo ser amiga da Denise, que por sua vez, havia me convidado a Imperatriz. Pediu que eu fosse à frente falar um pouco sobre meu trabalho. Como fiquei contente por ter sido tão bem recebida! Tirei fotos com a Denise, Patrícia, Jader (da CUFA, Central Única das Favelas, que também estava presente) e com o Sr. Isaac, presidente da entidade.

Ao chegar em casa, Baddy me mostrou a edição do dia do jornal O Progresso. Havia nele uma matéria intitulada “Escolas Municipais recebem palestras do Projeto Semeando”, onde falava-se sobre meu trabalho em Imperatriz com o livro, assim como a agenda das palestras para a semana. Fiquei tão contente! O Semeando estava sendo divulgado e se tornando conhecido…

doc

Esse dia foi cheio de atividades, emoções, promessas e muita, muita alegria.